Aumenta a importância de bicicletários nos condomínios.

O ciclismo é uma prática que vem crescendo nos últimos anos, fazendo aumentar o número de bicicletas entre os moradores de condomínios. E com a busca de uma vida mais saudável nas grandes cidades, a tendência é que esse número não pare de crescer.

Mas, se o apartamento é pequeno e na vaga de garagem não é possível, onde guardar as bikes? É preciso levar em conta que numa mesma família pode haver várias bicicletas e os apartamentos hoje são cada vez menores. É aí que surge a necessidade de levantar a discussão sobre a criação de um bicicletário.

Legislação 

Algumas cidades no Brasil até já aprovaram lei obrigando condomínios a destinarem um espaço para a instalação de bicicletário. Em São Paulo, por exemplo, construções novas e reformas de prédios residenciais e comerciais devem reservar até 10% das vagas de garagem para estacionamento de bicicletas.

Discussão 

O primeiro passo seria levantar quantos moradores têm esta necessidade dentro do condomínio e convocar uma assembleia para discutir o assunto. É preciso analisar muito bem a necessidade e também o tipo de bicicletário a ser implantado, pois em muitos condomínios o espaço de área comum é restrito.

Quórum 

O quórum necessário para a benfeitoria varia entre maioria simples dos presentes – quando nenhuma área comum do condomínio será alterada – para dois terços dos condôminos, se houver a necessidade de mudar uma área comum. Essa aprovação de 2/3 serve para realizar a adequação da convenção.

Regras 

Aprovada a instalação, é importante que o local tenha suas regras para evitar furtos, má utilização e outros problemas.

Local 

Especialistas apontam que a instalação deve ser feita perto das áreas de saída do condomínio, para facilitar a mobilidade.

Cadastramento 

É recomendável que o local seja fechado com chave e haja um cadastramento das bikes e seus proprietários.

Sinalização 

É fundamental que a área seja sinalizada para que não seja invadida por motos e carros.

Piso 

A pavimentação deve ser adequada para evitar acidentes com ciclistas ou avariações nas bicicletas.

Tipos 

Há dois tipos de bicicletário: os de chão e os de parede. Escolher os suportes e materiais mais adequados é fundamental para a segurança.

Responsabilidade 

Lembre-se que o condomínio não fica responsável por danos ou furtos das bicicletas apenas por ter um local para sua guarda. Essa responsabilidade só é passada ao empreendimento caso o bicicletário fique trancado – e que apenas o zelador possa abrir ou fechar o local.

Organização 

É importante criar um regulamento específico para o local, definindo regras e responsabilidades, e com aprovação em assembleia (maioria simples). Isso pode evitar futuros transtornos, como a utilização incorreta de outros espaços para guardar as bicicletas.

Tags 

Uma ideia é o uso de tags nas bikes, que mostrem quem, a que unidade e bloco pertencem. Também é recomendável que todas as bicicletas sejam trancadas com cadeado.

Recadastramento 

É recomendável também que a cada seis meses o condomínio faça uma campanha de recadastramento das bicicletas, evitando assim que equipamentos velhos de moradores que já se mudaram ocupe o espaço que poderia abrigar outra bike.

Fonte: Portal viva o condomínio

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


WhatsApp chat